Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Poetar-te

Poetar-te

5

Vem na carta o fio de água. Estou no quarto do fundo, o sopro da terra supro-o em mim com as vozes que me traz. Acabaram as castanhas (eram poucas e pequenas, não choveu), houve a esperada solução, uma desgraça, um princípio de mundo. Daqui é mais fácil ouvir todos os ruídos, todos os sopros, todos os encontros do sangue com o sangue. A não presença impõe, letra a letra, todos os significados, todas as razões do que se diz, todas as omissões. É um labor subterrâneo de decifração, em que cada significado se acrescenta à nossa gramática visceral. Vêm alguns rostos que agora são da matéria dos sonhos, algumas névoas que acrescentam rituais temores, frases desenhadas por sinceridades antigas. Tudo na carta: a ocupação dos lugares no espaço partilhado, a súbita angústia e a súbita alegria, o sol na parede branca, a mão que acaricia.

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub