Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Poetar-te

Poetar-te

4

É o frio que define este lugar. É um lugar devassado, o vento percorre-o e preenche o, habita o seu abandono. A rua de pedra gasta, e escura, e húmida, agride suficientemente as almas que ainda há pouco desconheciam qualquer contrato social. Descemo-la, por isso, de olhos altos, a procurar um céu que não nos seja novo, o pássaro que alastre o seu voo para o antigo domínio, a fenda no dia onde florem jasmins. Surpreendentemente há casas. Algumas com pessoas às janelas, com vento, e frio, e abandono a percorrê-las como a um lugar devassado. Sorriem. Possuem a luz lenta duma chama que lentamente se extingue. A marca dos exílios inelutáveis, a aceitação monstruosa do tempo, a cinza das perguntas que nunca se fizeram. Sorriem por uma condição de assumida proximidade. E há flores, cães, vozes, aldrabas de ferros possantes, pátios, pedras gastas, cantigas, olhares, janelas sem tempo, tempos que fluem, árvores, caminhos. E um campanário com as horas dentro, porque nós, felizes, ainda não medimos o tempo.

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub