Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Poetar-te

Poetar-te

4

E há as paredes. Cegas. Maciças. Asfixiam. Contra a cal. Geram o poderoso impulso da liberdade. Quebramos contra elas cristais momentâneos. Babam-nos de feroz salitre, de impotência surda. Confundem-nos porque não explicam. Não abrem. São sugestivas para dentro, num sentido concêntrico. Impedem os outros lugares. Sugerem-nos, com a resistência bruta que lhes opõem. Aqui só a liberdade. Contra elas só a liberdade. Só o pensamento alodialmente feroz. Livre e feroz, bruto e feroz, tomado da ferociddae que arranca luz dos medos fundos. Aqui só a inteira humanidade que se alimenta do sangue fundador. Contra elas opomos caminhos abertos a pulso pela humanidade e pela liberdade. Pela condição primeira do pacto ôntico, pela humana sujeição ao sopro criador. Fazem-nos, as paredes. Cegas. Maciças. Impedem. Fundam, paradoxais, a liberdade.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub