Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Poetar-te

Poetar-te

3

Abre-se, pois, essa flor conjuntiva. Procura os lugares onde a vigorosa pulsão da vida cria sóis instantâneos. Um é junto ao lume, compreende o alimento, o fogo, as harmonias. É onde ferve a água lustral das comunhões, onde o antes e o depois são confinantes, onde a presença é um ouro preservado. Outro, conduz ao íntimo da casa, à secreta, lenta, permanente fábrica dos sonhos, ao labor uterino da vida. Fecha-nos. Remete as distâncias para a mera geografia da matéria, porque  impede e circunscreve. E porque, pacientemente, lapida no sangue o diamante intemporal. Antes, outro ainda, é o lugar desencontrado das premências. É onde rui, definitivamente, o dique das emoções, onde desaba toda a sofreguidão das torrentes. É um lugar que remete e antecipa, que mílímetro a milímetro nos devolverá a identidade inteira. Aí, mais tarde, sob um céu de ramas ancestrais, serão as palavras o selo que se quebra.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub