Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Poetar-te

Poetar-te

10

Num ponto ínfimo: eis o diamante intemporal. Possante. Agregador. O seu brilho entra-nos pelo sangue fora para as zonas onde a escolha não é possível. Domina. Sobrepõe-se. Transborda para as moradas onde se ocultam as ciências do mundo, abre-lhes portas insuspeitas. Ciências novas. Artes trabalhadas. Recomeça mundos devastados por apelo a uma nobreza antiga. Esta é a sua grandeza. O seu desígnio. Pressente as ávidas presenças. Enche todo o nosso espaço duma inocência fundadora. Explode, então, para fora, ilumina, aquece, incendeia. Transborda. Permanece quando invocado, quando intensamente invocado. Para depois voltar ao coração da pedra, onde, para sempre, produzirá a cintilação extrema.

...

Neste passo (falta a publicação de um texto, num total de 50), peço aos meus visitantes internautas uma opinião sobre o que poderá, um dia, tomar a forma de livro.

9

Agora, as vozes. Os gestos tão quotidianos. As presenças que pairam. 1 - Um canto, um assobio, uma palavra nova. As onomatopeias da terra, a estrita concisão. O pio, o grito, o assobio, às vezes o lancinante silêncio. O chamamento. Os nomes, poderosíssimos. A vida ciciada, os passos nocturnos, uma dor que geme. A flor dos domingos. O predicativo sangue. 2 – A faca oficiante. A cesta, símbolo pujante das húmidas alvas. A fome da vida, jamais saciada (os animais que esperam pela hora quente). As mãos súbitas, precisas, as mãos consoladoras. A revelação de uma arte ínsita, que é a arte das coisas menores. O impulso produtivo, o olhar longo, os árduos estribilhos da terra. A mão pelo rosto, o olhar para dentro. 3- A porta entreaberta aos verões antigos. O que pulsa na presença inteira, a sua decifração pelos modos de estar. O bordado paciente. As uvas que pendem. A mesa que reúne. Os signos do nosso definitivo alfabeto, que excluem o tempo.

As vozes; os gestos; as presenças: toda a simbologia é uma arte de morrer devagar.

 

 

8

O apelo é fortíssimo. Vem da penumbra interior, da porta entreaberta, da pose que há-de ser a possante imagem dum amor maduro. Dum amor caldeado em distâncias incríveis. Dum amor que possui a chave para as áridas distâncias. Do próprio amor distanciado. O apelo está nas vozes tutelares: que desvendam, apaziguam, justificam; está na penumbra, na porta que agora se abre à luz definitiva; está na exposta inocência duma idade de ouro que carregamos, ainda por amor. Está na reunião dos caminhos que atravessam de lado a lado a exaltação das fontes. Esses caminhos agora desvendados. São eles a respiração vibrante da casa que nos recebe. Por isso os amamos. Porque confluem. Porque divergem. Porque sabem do nosso ofício de peregrinar. Porque, fundadores, nunca nos levam definitivamente

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub